domingo, 16 de fevereiro de 2014

Novidades em absorventes íntimos permitem a relação sexual sem o constrangimento do fluxo menstrual


Novidades em absorventes íntimos permitem a relação sexual sem o constrangimento do fluxo menstrual

Não poder tomar banho de piscina ou mar durante a menstruação já não faz parte do dia-a-dia de muitas mulheres. Com os diversos tipos de absorventes íntimos, as tarefas rotineiras podem ser realizadas, sem que o conforto seja deixado de lado. Nas versões tradicionais já conhecidas, estão os com cobertura mais grossa, finos, ultrafinos, longos, curtos, com ou sem abas. “Os absorventes sem abas possuem apenas um adesivo no comprimento e não nas laterais”, explica Adriana Smaniotto, médica ginecologista e obstetra da Clínica Plena. “A função das abas é evitar vazamentos e o constrangimento que pode ocorrer”, complementa. Além destes, há o chamado “noturno”, que permite ficar sem a troca, por um período maior de tempo – principalmente para mulheres que possuem um fluxo mais intenso. “Existem também os protetores diários, que podem ser usados fora do ciclo menstrual”, observa. A outra opção trata dos absorventes internos que, segundo a médica, promovem maior conforto e discrição. “Com cerca de um a 1,9 centímetros de diâmetro, o absorvente interno se adapta ao corpo feminino e age como uma esponja, absorvendo o fluxo”, destaca Adriana.

No entanto, o mercado está “de olho” no que pode oferecer de novidades na área, para as mulheres: um absorvente que permite a relação sexual, sem o constrangimento do fluxo menstrual. Adriana explica que o novo produto é uma esponja com tratamento especial, que pode ser usado sem que a mulher ou o parceiro sintam o produto. “O Soft Tampom – nome do absorvente – permite que a mulher não interrompa suas atividades e nem deixe de fazer sexo por conta do sangramento”, complementa. O produto – que tem cinco centímetros de altura por quatro e meio de largura – não possui cordão ou aplicador, apenas uma abertura em forma de coração que permite sua colocação e retirada.

Quem não pode usar o método

Prático e indicado por facilitar as atividades femininas, o método pode ser contraindicado para algumas mulheres. “Isso porque os fluxos menstruais são diferentes e nos casos mais intensos, ele pode não dar conta de absorver todo o sangue e causar vazamentos”, observa. Outra questão apontada é para o período sem troca do produto: oito horas. A médica explica que o ideal para qualquer tipo de absorvente, é a troca a cada quatro horas para evitar o desenvolvimento de fungos, bactérias e alergias. “Principalmente quem já teve ou tem casos de Candidíase, o produto pode absorver a secreção natural da vagina e causar irritabilidade”, acrescenta. A prevenção contra gravidez e doenças sexualmente transmissíveis (DST’s) também não ocorre com o Soft Tompom.

De olho no meio ambiente

Para quem é ligada nas questões de preservação ambiental, o copo – ou coletor – menstrual pode ser a “saída”. Chamado de InCiclo, o copinho é feito de silicone medicinal e se adapta ao corpo feminino após sua colocação. “Tem capacidade para até 30 mililitros, podendo, portanto ficar sem troca por até 12 horas. Porém, aqui também é avaliada a troca a cada quatro horas por questões de higiene”, destaca. A utilização se dá com a dobra do copo, com a abertura para cima, enquanto é colocado no interior da vagina. “Quando solto, ficará na posição correta devido à um pequeno vácuo e reterá o fluxo menstrual”, explica. Para removê-lo, a extremidade inferior é puxada com uma das mãos e a outra faz uma leve pressão na borda do copo que retira o vácuo e permite a saída. “Após a retirada, o ideal é que o copo seja higienizado por meio da fervura e guardado em local fresco”, finaliza Adriana.

Fonte: www.clinicaplena.com.br.

1 comentários:

Kleiton Gonçalves disse...

Nunca abri mão de uma boa noite de sexo por causa de sangue. :-)

terça-feira, abril 22, 2014 11:56:00 PM

Postar um comentário

Muito Obrigado pelo comentario
Um grande beijo!
Wanderléa Diógenes

 

©2011O Mundo da Léa | by TNB